Links da Semana #4

  1. Mais uma falha de segurança séria no ecossistema WordPress. Só que dessa vez o processo de solução trouxe à tona a limitação técnica da equipe do core quando o assunto é segurança, e a falta de especialistas full time neste quesito.

  2. Monitoramento de performance é um passo importante para a entrega contínua. É preciso definir metas mínimas de performance e saber se a nova versão é compatível com elas ou não. o Blackfire é um serviço conhecido na comunidade PHP, pela sua expertise na linguagem e pelas integrações diversas. O pessoal da Trivago conta como foi a experiência de escolha, implantação e utilização da ferramenta.

  3. Avanços nas áreas de inteligência artificial apliacadas em jogos foram reportadas por Yoochul Kim and Minhyung Lee. Ainda não foi dessa vez, mas as máquinas estão chegando cada vez mais perto de vencer os humanos no StarCraft.

  4. Kenny Leung propõe um modelo computacional para prever as principais causas incêndios em florestas em determinada localização. Utilizando uma base do Kaggle, ele discute quais causas são mais fáceis de prever, quais variáveis são mais relevantes para a previsão e quais modelos aparentam ser mais eficientes.

  5. A Kaggle lançou o resultado de uma survey sobre o mundo de data science, com resultados interessantes sobre as tecnologias, o mercado e a academia da área. Foram mais de 16.000 respostas do mundo todo, com 464 brasileiras. Vale a pena conferir as análises e os resultados, principalmente para os entrantes no campo.

  6. A previsão de cheiros ainda é um desafio grande para a inteligência artificial. Não é possível ter certeza de como uma pessoa vai perceber um cheio, da mesma maneira que é feito com as cores. Os cientistas ainda não tem conclusões sobre qual a melhor forma de tentar adivinhar um cheiro: componentes químicos? Estrutura molecular? Origem? Resultados recentes apontam que talvez seja a mistura de tudo isso, juntamente com fatores sociais e pessoais.

  7. Análise bem humorada dos tipos de profissionais que trabalham com visualização dos dados.

  8. O relato dos profissionais da Citus sobre a migração do projeto de um fork para uma extensão PostgreSQL desvenda um pouco das vantagens do segundo modelo, limitações e principais funcionalidades.

  9. A pesquisa (um pouco enviesada, é verdade) de @leshchuk mostra resultados interessantes ao substituir as clássicas tabelas de relacionamento n:m por colunas do tipo array nas tabelas relacionadas.

  10. Toda vez que indico para um iniciante a utilização do PostgreSQL em um projeto, a seguinte pergunta me vem 15 minutos depois: "já instalei tudo, como eu acesso a interface gráfica do banco?" Responder PgAdmin para quem já conhece o MySQL Workbench ou o PHPMyAdmin é até sacanagem. A falta de uma interface visual de administração (GUI) para iniciantes é uma barreira para o crecimento da comunidade PostgreSQL que vem sendo discutida.

  11. Ferramenta interessante para execução de backups automáticos do PostgreSQL, criptgrafados e enviados para o GoogleDrive.

  12. Dicas de utilização do PostgreSQL, como window functions, interval e melhorias de legibilidade das queries.

Add a comment

Previous Post Next Post