Links da Semana #18

  1. O Facebook lançou o osquery, um framework que promete facilitar o acesso a informações do nível do sistema operacional. Disponível para diversas plataformas (Windows, Linux e macOS), o projeto promete prover acesso aos dados de sensores, processos, módulos do kernel através de uma interface relacional via SQL.

  2. Mesmo em SGBDs que suportam acesso concorrente às informações, existem momentos que algumas operações precisam entrar na fila para evitar a quebra do padrão ACID. É importante conhecer quando isso pode acontecer e como evitar, uma vez que o desempenho da aplicação pode ser severamente afetado.

  3. O PostgreSQL fornece uma política de segurança baseada não só em relações, schemas e databases, mas também a nível de linhas de uma determinada tabela. Esta pode ser uma camada extra de proteção em sistemas críticos onde a mesma estrutura comporta dados de clientes/usuários distintos e a separação entre eles é questão prioritária do produto. É o estudo de caso apresentado pela Crunchy Data, que mostra como este mecanismo funciona e alguns exemplos de aplicações.

  4. Simon Riggs, um dos principais contribuidores do PostgreSQL, discorre sobre os limites de tamanho das tabelas do SGBD, dando explicações de como ele é calculado e contando a história de como ele evoluiu drasticamente depois da resolução de um pequeno bug que estava adormecido há mais de 20 anos.

  5. O modelo ternário do SQL pode causar situações bem contra intuitivas, que geralmente pegam de surpresa. Isso porque além do TRUE e do FALSE, também temos o UNKOWN. Este artigo rápido mostra uma destas situações.

  6. Desvendando o Log do PostgreSQL.

  7. Comparação de floats é um problema na maioria das linguagens, onde os programadores mais novos acabam tomando um susto quando (10.25 == 10.50 - 0.25) retorna FALSE. Quando tratar desse tipo de dados é imprescindível, este custom type para tratar números racionais no PostgreSQL pode ajudar bastante.

  8. O WITH e as WINDOW FUNCTIONS são estruturas importantes dos SGBDs modernos, que fazem parte das Common Table Expressions (CTE) que o padrão SQL prevê. Além de ajudarem a escrever queries mais legíveis, algumas funcionalidades recursivas e de acesso interativo a resultados parciais das queries aumentam o poder de fogo da linguagem. Este artigo traz alguns exemplos de funcionamento destas estruturas.

  9. Contas no Twitter como a de Vicki Boykis têm se dedicado a promover pinturas clássicas com legendas bem humoradas que relatam a vida dos profissionais de tecnologia: o movimento foi batizado de #devart.

  10. Gerenciamento de dependências no Python, tanto para pacotes livres quanto privados.

  11. Caso de uso da migração de grandes projetos de software do Python 2.x para o 3.x, com auxílio do projeto Six.

  12. Dicas de acessibilidade utilizando o Bootstrap

  13. Exemplo da extensão do Design Pattern Factory, aproveitando a ideia original e promovendo um código mais encapsulado e limpo: o Simple Factory.

Previous Post Next Post